Minaçu – Mulher é presa suspeita de comprar bebê por R$ 2,5 mil

Notícias

Mensagens trocadas por celular mostram negociação do recém-nascido. Polícia tenta achar mãe biológica da criança, que foi levada para abrigo

Uma autônoma de 29 anos (foto) foi presa suspeita de compra um recém-nascido de 9 dias de vida, em Minaçu. Segundo as investigações, ela pagou R$ 2,5 mil pela criança. Conversas feitas por meio de um aplicativo de mensagens mostraram a negociação da suspeita com a mãe do bebê.
Segundo o delegado responsável pelo caso, Rhaniel de Almeida Pires, a mulher foi presa na terça-feira (8 de setembro). “Ela foi ao hospital pedindo a Certidão de Nascido Vivo, para que pudesse registrar o bebê. A mulher disse que a criança tinha nascido no meio da estrada, durante uma viagem e depois não procurou o médico, por isso, não tinha o documento”, contou o delegado Pires, em entrevista à rádio 730 AM, na manhã de quinta-feira (10 de setembro).

Saiba mais
Os funcionários da unidade desconfiaram da história da autônoma e ligaram para a polícia. Porém, ela saiu do local antes que os agentes chegassem. Em seguida, ela foi até a Secretaria de Saúde tentando conseguir o mesmo documento e, novamente, os servidores não acreditaram na história e também ligaram para os policiais. Ela foi presa na sede do órgão.
Após ser detida, a criança foi entregue ao Conselho Tutelar. Ela foi encaminhada para um abrigo da cidade.
Na delegacia, a mulher confessou que o bebê não era dela, mas disse que “ganhou” a criança de uma mulher que mora em Caruaru (PE).
“Entretanto, essa informação não é verdadeira porque achamos diversas conversas dela com a mãe biológica da criança falando sobre depósitos em dinheiro e também comprovantes dessas transferências. Ela faz depósitos que somam R$ 2 mil e, quando foi buscar a criança, pagou mais R$ 500”, contou o investigador.

Trecho das negociações

Mulher negociava compra de bebê por mensagens de celular (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Nas conversas por um aplicativo de mensagens de celular, a mãe da criança diz que está aguardando o dinheiro para marcar o parto em um hospital da cidade. Na conversa, a suspeita responde: “Eu só estou esperando um lugar para fazer o depósito”.
Em outra conversa, a autônoma relata o medo do acordo não dar certo. “Estou com tanto medo de você não me dar esse bebê. Se você desistir ou tomar outra decisão, me avisa”, disse. Em resposta, a mãe biológica do recém-nascido disse: “Estou louca para resolver logo isso tudo. Já falei que vou entregar, então, por favor, não me enche mais”.
Para a polícia, a suspeita disse que procurou na internet como conseguir um bebê doado e chegou até a mãe biológica da criança. “Isso é preocupante, porque mostra que existe um mercado de bebês e até mesmo de fácil acesso”, disse Pires.
A mulher relatou que já tem três filhos biológicos, um adotado e que pegou esse recém-nascido para cuidar dele e não tinha nenhuma intenção de revendê-lo.
Ela vai ser indiciada por tentativa de falsidade ideológica, já que tentou registrar uma criança que não nasceu dela, e por receber uma criança mediante pagamento. Se condenada, as penas, somadas, podem chegar a 9 anos de prisão. Ela foi presa no Presídio Municipal de Minaçu.
O delegado informou que ainda investiga a participação de outras pessoas no esquema de compra de recém-nascidos. Ele também vai entrar em contato com a polícia em Pernambuco para tentar localizar a mãe do bebê, que também pode responder pelo crime de recebimento de dinheiro para entregar crianças a terceiros.

Mais diálogos

Conversas mostram negociação da compra de bebê (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

– Da Redação: Motta Filho (DRT-GO: 3001).
– Com Vitor Santana (Do G1 GO e rádio 730 – AM).
– Foto: TV Anhaguera.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.