MENU
PERFIL
FOTOS E FATOS
BREVES E QUENTES
FORA DA ÁREA
OPINIÃO TOTAL
BEM NA FOTO
BOLA CHEIA
BOLA MURCHA
EVENTOS
GIRO GERAL
NEGÓCIO DA HORA
OCORRÊNCIAS
INTERNACIONAIS
ESPORTE
DIVULGAÇÕES
EXPEDIENTE
CLASSIFICADOS
JORNAL FOLHA POPULAR
EDITORIAL
 
COLUNAS
ESPAÇO ESPÍRITA
ESPAÇO EVANGÉLICO
PAI DA MATÉRIA
POR DENTRO DA MODA
SORRISO EM PAUTA
DIREITO & CIDADANIA
ESPAÇO CATÓLICO
ESPAÇO RURAL
 
Enquete
Enquete

Nas últimas QUATRO gestões em Uruaçu, quem teve melhor início (nos primeiros quatro meses)?

Marisa
Lourencinho
Solange
Valmir Pedro

    Votar

    Parcial

Resultado das Enquetes


 

Untitled Document

 
NOTÍCIAS
17-04-2017 08:04
Caiado: “É preciso ouvir o eleitor para superar crise”

Seria preciso discutir um novo processo político eleitoral com regras claras

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado, afirmou que a crise de credibilidade que sofre a política brasileira exige que a população seja ouvida. Caiado, em entrevista à imprensa, em Brasília, falou sobre os desdobramentos da Operação Lava Jato e defendeu que a classe política não pode ficar paralisada. Seria preciso discutir um novo processo político eleitoral com regras claras e ouvindo a população.
“É um momento delicado porque não temos referência de democracia do mundo que tenha passado por isso. Temos que entender que a necessidade neste momento é de resgatar a credibilidade. Como resgatar credibilidade sem ouvir a população? Sem ter regras claras de financiamento de uma campanha eleitoral? Sem modernizar os partidos políticos?”, questionou Caiado.
Além de defender que a saída para a crise política passa por um novo processo eleitoral, o democrata também tratou de uma maior participação popular através de uma reforma política.
“É momento de transferirmos a responsabilidade para os eleitores. Esta é a cultura que temos que impregnar no País. A participação do cidadão no processo eleitoral e também no financiamento das campanhas. Não adianta só votar e não se sentir representado. O cidadão precisa entender que ele pode participar do processo eleitoral, inclusive decidindo sobre a transferência de recursos de um fundo eleitoral”, sugeriu.

Transparência
“Precisamos de regras claras em relação ao financiamento. A reforma política não é uma ‘saída’. É a sobrevivência do processo político-eleitoral. Todas as crises do Brasil vieram de financiamento de campanha. É preciso coragem para mudar, mas nada que amanhã possa parecer à sociedade como manobra para buscar qualquer tipo de anistia”.
“Não há democracia no mundo sem políticos. Essa tese de generalizar a crítica e dizer que todos são descredenciados não é o caminho. O que tem que ser feito é a boa política. Política com espírito público. Tenho orgulho enorme de ser político e sou capaz de andar pelas ruas, jantar com minha família, andar em aeroporto, tudo sem problema algum. Tenho a consciência tranquila de que estou cumprindo minha função como parlamentar”.

Reforma política
Ronaldo Caiado apresentou uma proposta de mudança no financiamento de campanha durante o Seminário Internacional sobre Sistemas Eleitorais. O evento organizado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contou com sua palestra, em Brasília.
O senador descartou a ideia da lista fechada diante da rejeição popular ao modelo e apresentou uma nova proposta. “A lista fechada está descartada diante do parecer da sociedade de que este sistema acobertará muitos que querem se livrar do voto popular. O que eu defendo é que o foco dessa discussão seja o de dar maior transparência, maior participação e maior responsabilidade ao eleitor na questão do financiamento de campanha. Este tem sido o mal maior de nosso modelo eleitoral, criador de inúmeros escândalos e CPIs ao longo dos anos”, afirmou Caiado.
O senador apresentou uma proposta de criação de um fundo eleitoral com recursos realocados do fundo partidário; das isenções fiscais por tempo de TV/rádio e de programas partidários; e de multas coletadas pelo TSE. Este fundo seria fracionado entre todo o eleitorado brasileiro, que poderia encaminhar a sua parte ao partido ou candidato de sua preferência.
“Só em isenção fiscal a rádios e TVs são gastos R$ 400 milhões em ano não eleitoral. No ano eleitoral isso vai a R$ 1,1 bilhão. Isso acrescido do fundo partidário, que deveria ser restrito à formula precedente de multiplicar R$ 0,35 pelo número de eleitores, daria algo em torno de R$ 4 bilhões. A intenção é pegar este valor, e nenhum centavo a mais, e realocar em um fundo eleitoral. E quem vai ser responsável por esse fundo? Vamos criar uma nova cultura em que o eleitor não vai limitar sua participação ao voto, mas também indicando a sua parcela nesse fundo eleitoral a quem desejar. Se trata de uma proposta ousada mas necessária para buscarmos uma maior sintonia com a sociedade no processo eleitoral e educar para uma maior participação”, explicou Caiado.
A proposta apresentada deve ser apresentada e debatida pelo partido Democratas nos próximos meses para ser veiculada no programa eleitoral do partido.

- Fonte: DM Digital.

Histórico
  » 28-06-2017 11:06 - Governador Marconi Perillo realiza hoje entrega histórica de 637 moradias em Uruaçu
  » 23-06-2017 09:06 - Multa para quem esquecer a CNH pode deixar de ser aplicada
  » 18-06-2017 18:06 - Pisada na Bola - Secretária de Clínica de Olhos é acusada de desviar recursos
  » 15-06-2017 19:06 - Educação - Governo de Goiás inaugura novo colégio Padrão Século 21 em Caldas Novas
  » 12-06-2017 15:06 - Mais quatro vítimas da BR-153
  » 07-06-2017 10:06 - Operação da PF combate fraudes em benefícios previdenciários em Goiás e DF
  » 07-06-2017 09:06 - Estelionato - Presa quadrilha que aplicava golpes na venda de carros pela OLX e facebook em Goiás
  » 02-06-2017 16:06 - MIGRAÇÃO AM/FM - GOIÂNIA-NIQUELÂNDIA
  » 31-05-2017 10:05 - Muquém - Santuário recebe nova pintura externa
  » 29-05-2017 18:05 - Governador não veio a Uruaçu
veja o histórico completo
  Untitled Document
 Publicidade
 
Google




Untitled Document

© mottafilho.com.br - todos os direitos resevados
Contatos: mottafilho.103@uol.com.br e contato@mottafilho.com.br
(62) 8539-4249 / 8145-2937