MENU
PERFIL
FOTOS E FATOS
BREVES E QUENTES
FORA DA ÁREA
OPINIÃO TOTAL
BEM NA FOTO
BOLA CHEIA
BOLA MURCHA
EVENTOS
GIRO GERAL
NEGÓCIO DA HORA
OCORRÊNCIAS
INTERNACIONAIS
ESPORTE
DIVULGAÇÕES
EXPEDIENTE
CLASSIFICADOS
JORNAL FOLHA POPULAR
EDITORIAL
 
COLUNAS
ESPAÇO ESPÍRITA
ESPAÇO EVANGÉLICO
PAI DA MATÉRIA
POR DENTRO DA MODA
SORRISO EM PAUTA
DIREITO & CIDADANIA
ESPAÇO CATÓLICO
ESPAÇO RURAL
 
Enquete
Enquete

Nas últimas QUATRO gestões em Uruaçu, quem teve melhor início (nos primeiros quatro meses)?

Marisa
Lourencinho
Solange
Valmir Pedro

    Votar

    Parcial

Resultado das Enquetes


 

Untitled Document

 
DIREITO & CIDADANIA
Jader Abrão – Advogado
26-08-2015 21:08:02
O Brasil é nosso, não mais pela sua independência em 1822, mas pela independência contínua do seu povo!

Nesse artigo faremos uma reflexão sobre a importância da informação para a práticada cidadania em seu sentido amplo visando o bem estar e o sucesso de uma Nação.
Preliminarmente, ressaltarei que estando a condição humana na ausência de qualquer ordem social estruturada,sendo outrora definida de "estado de natureza" pelo pensador suíço J.J. ROUSSEAU (1712-1778), onde o mais forte sempre submeterá o mais fraco, os ímpetos dos indivíduos ficariam limitados às suas próprias vontades, e, às suas próprias consciências. As famílias, as plantações, as reservas, a propriedade, a vida não teria nenhuma garantia ou segurança mediante a ausência de uma organização maior e garantidora.
Os seres humanos, quase que institivamente, iniciaram em tempos primórdios um modelo muito simples de organização social desenvolvido através de grupos, de modo que pudessempossuir algumas garantias inerentes à preservação da vida, em consequência a existência de um ser controlador dessa vivência em sociedade sempre foi uma necessidade e uma característica do agrupamento humano.
E assim as comunidades foram crescendo e se aperfeiçoando até os moldes atuais, suas condições e normas foram sendo alteradas conforme necessidades e metas de cada grupo, a exemplo ei de citar as existências de regimes democráticos e ditatoriais, cada qual desenvolvido por e para um “grupo” específico. 
Desde sempre a própria necessidade de sentir-se seguro foi o que motivou o ser humano na busca e manutenção da vida em coletividade, onde os indivíduos abdicam de certas liberdades para que um ente legitimado/autorizado e controlador (Estado em sentido macro – País) possa assegurar-lhes garantias individuais e coletivas.
O nosso País possui uma estrutura Estatal organizada com normas e condições que são administradas, desenvolvidas e/ou modificadas pelos próprios cidadãos através de seus representantes democraticamente escolhidos para tal mister. Há que ser ressaltado o fato de que através da honesta conduta dessa representatividade cidadã é que os brasileiros terão condições demanterem as garantias e asseguranças necessáriaspara que a sociedade não experimente novamente a condição identificada como “estado de natureza”, acima mencionada, ou seja, o enfraquecimento do compromisso existente entre representado e representante gera uma instabilidade na aplicação e na função das leis e normas garantidoras do Estado (País), sem as quais ocasiona o caos, a desordem e a insegurança aos cidadãos, transformando em desafio a manutenção da própria vida, assim banalizada.
A essa dinâmica de identificação, desenvolvimento e gerência dos valores e condições em favor da vida humana, verificadasno relacionamento entre cidadãos e entidades públicasdamos o nome de Política, a qual devemos dela conhecer, participar e fiscalizar sob pena de arriscar as próprias garantias e segurança já conquistadas.“O Brasil é nosso, não mais pela sua independência em 1822, mas pela independência contínua do seu povo!”O modelo político adotado no Brasil é a Democracia e significa que o poder é exercido pelo povo e não apenas isoladamente pelos eleitos na última eleição, mas sim através destes, que exercem uma função apenas representativa.Portanto, não há Democracia sem o acompanhamento e envolvimento REAL e CONSCIENTE de seus cidadãos.
Sendo assim, qual o destino de uma Nação quando o povo não sabe e não quer saber de política? Quando o povo não quer participar dos debates acontecidos antes e após – principalmente após - as eleições? E, o que acontecerá quando esse mesmo povo adotar um entendimento absurdo de que os honestos não se envolvem com política? Já existem comentários assim? O que acontecerá então com todas as seguranças e garantias existentes que foram conquistadas por outros nobres cidadãos que nos precederam?Hoje, através do abandono dos que aqui estão, tais conquistas agonizam frente aos desmandos mal fiscalizados e mal providos por culpa e reflexos da desinformação dos que delas – garantias - dependem a continuação das próprias vidas! Os brasileiros tem ciência sobre quais assuntos estão sendo discutidos e votados no Congresso Nacional? E na Câmara de Vereadores da própria cidade?
Porque no Brasil suprimiram as disciplinas escolares OSPB e Organização Moral e Cívica?Qual o nível e tempo de dedicação oferecemos para novelas e para o futebol? E para os assuntos da sua cidade, quanto tempo tem doado?Porque grande parte do que encontramos na TV aberta é um “Circo” que muitas vezes banaliza os valores morais que são a base dos Princípios da nossa Constituição, e que por issosão a base de toda a vida organizada e segura? Seria uma cópia da política do “Pão e Circo” usada por Cesar na época do Império Romano para empobrecer intelectualmente e acalmar o povoem suas cobranças,mantendo-os distantes da vidapolítica que é a identidade do cidadão?
A nossa alienação política é a responsável por qualquer desordem! Perdemos o hábito de participar diuturnamente da vida política, permanecemos apáticos e encruados em nossas vidas “individualizadas”, compartilhando inofensivamente via internet informações, às vezesinverídicas e manipuladas, através de mídias negativas e desrespeitosas, na ilusão de estarmos fazendo algo pelo país, sem perceber que assim “bebemos do veneno esperando que o outro morra”.Estamos preguiçosos e acomodados, deparamos facilmente com votos trocados em benefício individual, mesmo que esse “benefício” atrele à dependência eterna. Essa realidade vem da desinformação que nos fazem esquecidosdo porquê da existência da República Federativa do Brasil - Ser controlador e garantidor de nossas vidas. O problema não está nos representantes, mas nos atuais representados que estão abandonando o “barco” por desconhecerem a importância da seriedade e da sintonia das remadas. Vamos atentar e acabar com a ilusão de que na prática o Brasil viva a Democracia, já que atualmente seus cidadãos, apesar de representados, não participam da vida política do País, e, participar da vida organizacional da Nação brasileira de maneira habitual, honesta, respeitosa e legal, é dar vida à Democracia, é exercer a função de cidadão, isso é praticar política, isso é garantir a vida!
Vamos conhecer e nos filiar a partidos políticos que detenham ideologias as quais consideramos válidas e saudáveis, e, vamos participar dessa agremiação partidária lutando para que ali dentro tais princípios sejam respeitados, alcançando e beneficiando a nossa população. Partidos políticos são fontes de ideologias e aspirações populares e não de locação de vagas para candidatos.
Existe honra quando hasteamos a Bandeira Nacional, quando deparamos com o Selo e com as Armas Nacionais, e, quando ouvimos os acordes do Hino Nacional, não por causa do futebol, mas por que são os símbolos que representam a nossa Soberania e que por isso significam a nossa independência e a nossa vitória sobre o caos!

Jader Abrão é advogado e atende também em Uruaçu / OAB/GO: 16.106.

Histórico
  » 23-11-2015 18:11:39 - O PARTIDO POLÍTICO E OS PROTESTOS POPULARES
  » 26-08-2015 21:08:02 - O Brasil é nosso, não mais pela sua independência em 1822, mas pela independência contínua do seu povo!
  » 13-04-2015 12:04:50 - Novo Código de Processo Civil
veja o histórico completo
  Untitled Document
 Publicidade
 
Google




Untitled Document

© mottafilho.com.br - todos os direitos resevados
Contatos: mottafilho.103@uol.com.br e contato@mottafilho.com.br
(62) 8539-4249 / 8145-2937